<$BlogRSDURL$>

Agora sim tá Bacana
Pois assim é se lhe parece ::
25 abril 2006

O Estado são eles 


“O Estado são êles”

No céu claro passaram roncando dois enormes aviões. Pelo feitio ou pela pintura os rapazes conheceram que era da FAB. E um dêles, que ouvira o rádio do jipe, explicou: - É o marechal, que vai ao Cariri fazer propaganda eleitoral.

Lembrou-me a minha velha mestra de música, Dona Elvira Pinho, abolicionista e republicana histórica, mulher de rígida virtude particular e cívica.

Uma de suas alunas era filha do governador e vinha para as aulas no carro oficial.

E D. Elvira interpelava a garôta, em plena classe: “Como vai o nosso automóvel? Você tem agradecido aqui às meninas o empréstimo do carro para você passear?

Sim, porque tanto o automóvel como o motorista, a gasolina, tudo é nosso - nós que pagamos!”

A menina ficava encabulada ou furiosa, não sei, e Dona Elvira, abandonando a teoria musical, dava um aula de boa ética republicana.

Que tudo pertence ao povo, pois quem paga é o povo.

Os governantes que gastam consigo o dinheiro dos contribuintes estão usurpando essas regalias - aliás, a própria palavra está dizendo: regalia - privilégio do rei!

República não tem rei, e, assim, os governantes republicanos não deviam ter palácios para as suas famílias nem carros oficiais para passear os meninos, nem comida e luxo à custa do povo.

Tudo isso abolimos no 15 de Novembro, mas tudo tem voltado - só falta voltar o rei! (como era uso entre os republicanos históricos, D. Elvira só chamava o imperador “o rei”).

Até a ditadura ainda havia um certo pudor.

Talvez porque ainda restassem vivos muitos republicanos da cêpa de D. Elvira.

Com o Estado Novo, todo o mundo amordaçado, sem ninguém para estrilar, o hábito da regalia se universalizou.

Os homens públicos deixaram de separar o que era do Estado e o que era dêles, ou antes, o uso e abuso dos bens públicos passou a ser privilégio dos cargos e, por extensão natural, da parentela dos cargos.

Ninguém se lembra mais da origem do dinheiro com que se custeia o luxo dos poderosos - aquêles ínfimos impostos que o pobre mais pobre tem que pagar: o cruzeiro a mais no preço do feijão, da farinha, do metro de pano, a licença para vender um pé de alface ou um chapéu de palha.

Talvez se êsses aproveitadores da riqueza pública - e entre êles haverá muitos homens honestos - se detivessem um instante a pensar de que pobreza, de que miséria, provém aquela riqueza, que não foi para tal fim que a arrancaram ao triste contribuinte; que aquêle automóvel do seu uso talvez custe dez leitos que faltam num hospital; que aquêle passeio de avião talvez represente mais cem analfabetos; que aquela comissão no estrangeiro valha por alguns quilômetros de estrada; que aquêle piquenique oficial em Brasília talvez esteja custando o DDT que iria acabar a malária numa região inteira ou o barbeiro - em outra; se êles pensassem, talvez recuassem envergonhados, e devolvessem o seu a seu dono.

Mas êles não se lembram. Vêem apenas o dinheiro fácil, abundante, bom de gastar. Dizem que se um não gastar, outro gasta.

E, acima de tudo, convencem-se de que êles próprios e os seus é que representam o Estado, e que emprêgo da fazenda pública em regalias pessoais para os que encarnam o Estado, é tão legítimo quanto os gastos em ordenados de professôras, em remédios para os ambulatórios.

Aquêles dois aviões, gastando material, gasolina e pessoal, tudo pago pelo povo, para que um candidato faça a sua propaganda, sei que é uma gôta de água na torrente dos gastos indevidos de dinheiros públicos, mas são um símbolo, ou uma amostra de como anda completamente desvirtuado aquilo que se pode chamar o pacto de govêrno, feito entre o povo e os seus líderes.

Quando se funda uma nação, o povo promete obedecer aos seus chefes escolhidos e pagar uma percentagem determinada sôbre tudo que produzir, para o sustento da indispensável máquina de direção e defesa nacional.

Os líderes, por sua vez, juram não ser mais que fiéis servidores do povo que os emprega. Mas parecem que juram à falsa fé.

Porque, mal se apanham com a máquina nas mãos, esquecem de quem é o dono e de quem é apenas o gerente.

Transfere para a sua pessoa, a grandeza que só era do cargo. Querem palácios condignos, carruagens condignas, tratamento condigno, privilégios condignos. Aí, a palavra que eles mais apreciam é essa - condigno!

E nessa preocupação de se regalarem a si, acabam esquecendo para que subiram tão alto, e se convencem de que o povo existe apenas para sustentar o Govêrno, e não o Govêrno para servir o povo.

É a velha história da criatura que devora o criador. E a tal ponto chega a confusão de valores que, de consciência limpa e coração aberto, montados no dinheiro do povo, gastando a mãos abertas os impostos que o povo paga, querem convencer o povo, através de veículos, auto-falantes, propaganda impressa que o povo custeia, que são excelentes, honestos e indispensáveis e merecem tôdas as consagrações!

E a gente fica pensando, se aparecer por aí um demagogo que saiba explorar essas contradições tão primárias. Que mostre que pode ser administrador dos dinheiros alheios, sem tirar dêle a parte do leão. Um homem, por exemplo, que pagasse as suas passagens nos aviões, quando quisesse vir arengar às massas do interior. Que morasse em casa sua, que usasse roupa, comida, automóvel, trem - tudo pago com o suor do seu rosto. E que desse uma garantia de continuar assim, mesmo quando a chave dos cofres estivesse em suas mãos. E que fôsse capaz de obrigar os seus subordinados a se portarem também assim.

Que fôrça terrível, que prestígio espantoso não adquiriria um homem dêsses. Um homem que garantisse um govêrno onde o pacto republicano se cumprisse com escrúpulo, onde o dinheiro de escola fôsse para escola, e confisco de dólar do café fôsse mesmo para pagar trigo e gasolina, e verba de soldado fôsse para comprar espingarda e fardamento.

Um homem que realizasse tal milagre - já pensaram o que conseguiria do povo um homem desses.

Até dá vertigens pensar. Talvez o divinizassem, como aos Césares.

E, então, o homem, enlouquecendo com o tamanho da sua fôrça, vendo-se César, iria adquirindo as deformações de todos os Césares, e acabaria esquecendo o pacto inicial que fundara a sua fôrça, - e se corrompia, também e aí começava tudo de novo...

Rachel de Queiroz


posted at 16:54 by bacana

|

24 abril 2006

Páscoa 

Papai, o que é Páscoa?

-Ora, Páscoa é... bem... é uma festa religiosa!

-Igual ao Natal?

-É parecido. Só que no Natal comemora-se o nascimento de Jesus, e na Páscoa, se não me engano, comemora-se a sua ressureição.

-Ressurreição?

-É, ressurreição. Marta , vem cá !

-Sim?

-Explica pra esse garoto o que é ressurreição pra eu poder ler o meu jornal.

-Bom, meu filho, ressurreição é tornar a viver após ter morrido. Foi o que aconteceu com Jesus, três dias depois de ter sido crucificado. Ele ressuscitou e subiu aos céus. Entendeu ?

-Mais ou menos... Mamãe, Jesus era um coelho?

-O que é isso menino? Não me fale uma bobagem dessas ! Coelho !!! Jesus Cristo é o Papai do Céu ! Nem parece que esse menino foi batizado ! Jorge, esse menino não pode crescer desse jeito, sem ir numa missa pelo menos aos domingos. Até parece que não lhe demos uma educação cristã ! Já pensou se ele solta uma besteira dessas na escola ? Deus me perdoe ! Amanhã mesmo vou matricular esse moleque no catecismo !

-Mamãe, mas o Papai do Céu não é Deus ?

-É filho, Jesus e Deus são a mesma coisa. Você vai estudar isso no catecismo. É a Trindade. Deus é Pai, Filho e Espírito Santo.

-O Espírito Santo também é Deus?

-É sim.

-E Minas Gerais ?

-Sacrilégio !!!

-É por isso que a ilha de Trindade fica perto do Espírito Santo?

-Não é o Estado do Espírito Santo que compõe a Trindade, meu filho, é o Espírito Santo de Deus. É um negócio meio complicado, nem a mamãe entende direito. Mas se você perguntar no catecismo a professora explica tudinho !

-Bom, se Jesus não é um coelho, quem é o coelho da Páscoa ?

-Eu sei lá ! É uma tradição. É igual a Papai Noel, só que ao invés de presente ele traz ovinhos.

-Coelho bota ovo ?

-Chega ! Deixa eu ir fazer o almoço que eu ganho mais !

- Papai, não era melhor que fosse galinha da Páscoa ?

-Era... era melhor,sim... ou então urubu.

-Papai, Jesus nasceu no dia 25 de dezembro, né ?

-Que dia ele morreu ?

-Isso eu sei: na Sexta-feira Santa.

-Que dia e que mês?

-(???) Sabe que eu nunca pensei nisso ? Eu só aprendi que ele morreu Na Sexta-feira Santa e ressucitou três dias depois, no Sábado de Aleluia.

-Um dia depois!

-Não, três dias depois.

-Então morreu na Quarta-feira.

-Não, morreu na Sexta-feira Santa... ou terá sido na Quarta-feira de Cinzas?
Ah, garoto, vê se não me confunde! Morreu na Sexta mesmo e ressucitou no sábado, três dias depois! Como ? Pergunte à sua professora de catecismo!

-Papai, por que amarraram um monte de bonecos de pano lá na rua ?

-É que hoje é Sabado de Aleluia, e o pessoal vai fazer a malhação do Judas.
Judas foi o apóstolo que traiu Jesus.

-O Judas traiu Jesus no Sábado?

-Claro que não ! Se Jesus morreu na Sexta !!!

-Então por que eles não malham o Judas no dia certo ?

-Ui...

-Papai, qual era o sobrenome de Jesus?

-Cristo. Jesus Cristo.

-Só ?

-Que eu saiba sim, por quê?

-Não sei não, mas tenho um palpite de que o nome dele era Jesus Cristo Coelho. Só assim esse negócio de coelho da Páscoa faz sentido, não acha ?

-Ai coitada !

-Coitada de quem ?

-Da sua professora de catecismo !

(Luis Fernando Veríssimo)

posted at 19:20 by bacana

|


Sobre Mim


Pode me chamar de Bacana
eu vivo no Rio de Janeiro

You can call me Bacana
I live in Rio de Janeiro

Meu Fotolog
Meu Orkut

Links Bacanas

Wikepidia
BabelFish
Bacana View
Je n`ai vu personne
Neene
`torno a Venezia
Cælum et Inferi Amor est
Sinistra
Mago
the O O O game
bacana@Fotola
Fotolog.Net
Fotolog.Net Discussion Board
bacana@SETI@home


Blogs Que Leio

Blog das Palavras
BacanaTech
Rir
Je n`ai vu personne - le blog
...There She Goes...
AbelhinhaX
Pensar Enlouquece!
Pura Goiaba
Gato Fedorento
Jesus me chicoteia


Arquivos

home
Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Junho 2005   Julho 2005   Agosto 2005   Setembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Outubro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Março 2007   Maio 2007   Junho 2007   Agosto 2007   Abril 2008   Maio 2012   Junho 2012   Setembro 2012   Maio 2013   Junho 2013  


Créditos

Maystar
Blogger
HaloScan